PSA - Bacia do Rio Piraquara

20/07/2015

CENÁRIO GERAL

A garantia de água nas cidades, onde vive mais da metade da população mundial, é um dos maiores desafios do nosso tempo. Atualmente, um bilhão de pessoas não têm acesso à água potável, e nos próximos 25 anos a situação tende a se agravar. A crescente pressão sobre os ecossistemas, o consumo irresponsável, a poluição dos mananciais, a má gestão dos recursos hídricos e a degradação ambiental são fatores que potencializam a escassez hídrica. A retirada da cobertura vegetal para a agricultura sem controle de erosão, por exemplo, aumenta o escoamento superficial carregando sedimentos, causando assoreamento dos rios, lagos e represas.

Em regiões como o Oriente Médio, por exemplo, a água virou objeto de disputa entre países e um dos motivos que fazem perpetrar um dos conflitos mais antigos da humanidade. Na África, a água já foi elemento de discriminação racial quando, na época do apartheid só os brancos podiam ter acesso a ela.

Dados do Atlas Brasil – Abastecimento Urbano de Água (2010), elaborado pela Agência Nacional de Águas (ANA) mapearam as tendências de demanda e oferta de água nos 5.565 municípios brasileiros, considerando a disponibilidade hídrica e as condições de infra-estrutura dos sistemas de produção e distribuição. Tal mapeamento revelou que, apesar do Brasil ser dono do maior potencial hídrico do planeta (12%), corria-se o risco de ter déficit no abastecimento de água em 2015 em 55% dos municípios brasileiros, dentre eles, o Distrito Federal, Belo Horizonte, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

É salutar a importância do Município de Piraquara para o abastecimento público. Sendo o maior produtor de água da RMC é responsável pelo abastecimento de 50% desta população. Com uma área territorial total de 225 Km², Piraquara possui 93% do seu território comprometido com área de manancial, onde são encontradas 1.162 nascentes. Abriga três reservatórios de abastecimento público (o Reservatório do Iraí, do Piraquara I e Piraquara III

Atualmente, nosso Município vive uma realidade de abundância, onde vemos a água como inesgotável, no entanto, sabemos que qualquer alteração na qualidade ou na quantidade, que venha a causar desequilíbrios, terá reflexos diretos sobre a sua disponibilidade.

A degradação ambiental é um poderoso agente gerador ou acentuador da escassez. A retirada da cobertura vegetal para a agricultura sem controle de erosão, por exemplo, aumenta o escoamento superficial carregando sedimentos, causando assoreamento dos rios, lagos e represas.

O Programa MANANCIAL VIVO visa estimular os proprietários a realizarem boas práticas de conservação das áreas naturais, bem como, o manejo adequado das áreas produtivas, conciliando assim, a conservação da natureza, a agropecuária e o turismo.

hidrografia